sábado, 28 de novembro de 2009

Lula me revira o estômago mais uma vez

Entre os vários textos que a Folha de S. Paulo divulgou em relação ao filme que conta a vida do presidente do Brasil, está um do político César Benjamin, que hoje é editor da Editora Contraponto e colunista da Folha.

Ele escreveu um longo depoimento em que narra todos os horrores que sofreu na cadeia, preso que foi aos 17 anos. Depois de narrar ter sido, por exemplo, entregue na cela para “ser usado” pelos outros presos – e que isso acabou não acontecendo – interrompe sua memória longínqua e pula para 1994, quando integrava a equipe que cuidava da campanha eleitoral de Lula na TV:

Na mesa, estávamos eu, o americano [um publicitário importado pelos petistas] ao meu lado, Lula e o publicitário Paulo de Tarso em frente e, nas cabeceiras, Espinoza (segurança de Lula) e outro publicitário brasileiro que trabalhava conosco, cujo nome também esqueci. Lula puxou conversa: “Você esteve preso, não é Cesinha?” “Estive.” “Quanto tempo?” “Alguns anos…”, desconversei (raramente falo nesse assunto). Lula continuou: “Eu não agüentaria. Não vivo sem boceta”.

Para comprovar essa afirmação, passou a narrar com fluência como havia tentado subjugar outro preso nos 30 dias em que ficara detido. Chamava-o de “menino do MEP”, em referência a uma organização de esquerda que já deixou de existir. Ficara surpreso com a resistência do “menino”, que frustrara a investida com cotoveladas e socos.

(...) O homem que me disse que o atacou é hoje presidente da República. É conciliador e, dizem, faz um bom governo. Ganhou projeção internacional. Afastei-me dele depois daquela conversa na produtora de televisão, mas desejo-lhe sorte, pelo bem do nosso país. Espero que tenha melhorado com o passar dos anos.

Mesmo assim, não pretendo assistir a “O Filho do Brasil”, que exala o mau cheiro das mistificações. Li nos jornais que o filme mostra cenas dos 30 dias em que Lula esteve detido e lembrei das passagens que registrei neste texto, que está além da política. Não pretende acusar, rotular ou julgar, mas refletir sobre a complexidade da condição humana, justamente o que um filme assim, a serviço do culto à personalidade, tenta esconder.

É bem verdade a opinião dele sobre o filme. Não assisti, mas aposto mesmo que nada de ruim no caráter dele foi retratado nesse filme, como bem acontece em muita cinebiografia por aí.

Já sobre a história da reunião... Essas palavras me reviraram o estômago ontem, quando li o texto. Não entendo de política o suficiente para criticar o governo, mas sim o governante, como pessoa. E, nesse assunto, posso dizer que Lula é uma besta, no sentido bíblico mesmo. Pode ser que alguns projetos sociais de sua aba sejam bons, mas é fato que ele sustenta um sistema corrupto, corruptor e alimenta-o. Essas características eu consigo enxergar com muita claridade por detrás desses meus olhos míopes.

Qualquer discursinho de improviso dele é suficiente para concluir que temos atrás do microfone um malandro de um tipo muito comum em feiras de peças de carro usadas. O Lula é um assombro sem precedentes de absoluta canalhice, um boneco na frente de um colegiado que toma decisões – isso todos sabemos. E o que me chama a atenção é mesmo essa composição de forças que o levaram até lá. Como nos livraremos desta gente?

Para ler depois de ler: Nunca Antes na História Desse País - Marcelo Tas

10 comentários:

Benepantera disse...

sinceramente nunca li tanta besteira, vc nunca falou em buceta
o Lula é diferente do presidente
é uma pessoa como qualquer outra, seu problema é que o Presidente Lula tem 87% de aprovação dos brasileiros, se conforma o cara é prefeito deixa de inveja

Gabriel Cadete disse...

Ô Benedito, que vergonha! Vamos aprender a usar pontuação corretamente antes de sair escrevendo por aí? Escrever mal assim e defender o Lula só piora a situação - de vocês dois!

Sem contar que, ops, acho que você se distraiu com a boceta e não entendeu o resto do texto. Ele tentou estuprar um homem na cadeia. Leia de novo.

Abraço :)

Anônimo disse...

Ronaldo!...

raphaelvega disse...

leio o seu blog há um certo tempo e acho que nunca comentei antes. Talvez porque eu concordava com tudo o que você escrevia ou porque achava que não tinha nada importante a dizer.

o caso é que dessa vez eu discordo. Não do fato de o Lula provavelmente ser um canalha, mas de como você pelo visto 'comprou' de primeira essa atitude da Folha.

acho que estamos no mesmo barco no que diz respeito a questionar a política (ou politicagem) do governo - e se vale de alguma coisa, a filiação política da minha família sempre foi a direita. A direita acomodada, é verdade - mas me espanta que você tenha deixado 'passar' a questão dos interesses da Folha nessa história.

também fiquei com o estômago revirado quando a história dessa reunião se tornou pública, mas depois de ler umas coisas* por aí (apenas na internet, é verdade) percebi que não dá mais pra engolir as coisas desse jeito.

ok, não fiz muito sentido e acho que não foquei na questão que você levanta no final do post, mas quem acaba de acordar e decide escrever coisas assim corre esse risco, não é? hahaha

*uma delas é esse post do Flávio Gomes: http://colunistas.ig.com.br/flaviogomes/2009/11/27/gira-mondo-gira-25/

gabriel disse...

você tem razão, raphael. mesmo sabendo que pode ser mentira. acho que, como não tem ninguém provar nada, vai ficar o dito pelo não dito. é quase escolha mesmo, né?

e, aliás, independente da história ser verdade ou não, convenhamos que o timing pra revelar isso é muito suspeito devido às campanhas que estão vindo à frente e que, obviamente, isso se faz o tempo todo em todo o mundo. li, inclusive, o texto que você me indicou e esse caso do filho do FHC (que eu já sabia) é um ótimo exemplo: ninguém fala nada a toa - e, muito menos, ninguém fica calado a toa.

enfim, continue entrando no blog e comente sempre que quiser :)

abração

Maurity disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
D. Maurity disse...

Bem... Acompanho seu blog há um tempo e, definitivamente, e esse post me mostrou isso, vc deveria se manter nos assuntos de sempre: Amores perdidos, desencontros e coisas do mundo (ou do seu mundo).

Antes de escrever um post como esse e colocar afirmações levianas de um depoimento sem pé, nem cabeça, você deveria saber da história por de trás de um jornal como esse! Um jornal apoiador da Ditadura Militar, merece algum respeito!? E isso é só um dos vários outros motivos p o descrédito à Folha. (Quem sabe vc não procura os outros?)

Pesquise antes. Nem sempre o que está nos jornais (principalmente os daqui e principalmente pelo momento político que viveremos em 2010) correspondem a realidade e vc, talvez, deveria saber disso.

Continuarei sendo seu leitor, assíduo como sempre! Mas se for escrever sobre algo que não domina, tenha cuidado! Vc é um formador de opinião.

PS: Só para deixar claro, não sou partidário e não me simpatizo por nenhum.

Anônimo disse...

Estou tentando entender quem fez esse comentário em meu nome,nem
preciso lê esse seu texto é muito
cansativo. ñ comungo com vc nem com quem escreveu.

Gays de Direita disse...

Hahaha adorei esse blog! E concordo com a postagem!

Marcos David disse...

Olha o Diogo Mainardi fazendo escola! Pobres leitores da Veja...