sexta-feira, 23 de maio de 2008

A arte da tradução

Sempre achei que títulos de filmes americanos, no Brasil, são um caso à parte de qualquer discussão. Do desafiador da lógica “Meu Primeiro Amor 2” ao estraga-prazeres “E o Marido era o Culpado”, esses tradutores me tiraram do sério. E eu sempre achava que, na verdade, os títulos originais é que eram geniais demais. Daí nada em português ia ficar melhor mesmo.

Quer um exemplo? O novo filme de Wong Kar Wai se chama “Um Beijo Roubado” por aqui. Uma bosta de título, convenhamos. Pode indicar comédia romântica, sessão da tarde e pornô. Título original: “My Blueberry Nights”.

O diretor do filme ia usar torta de morango na história – então ele possivelmente se chamaria “My Strawberry Nights”. Mas ele perguntou à Norah Jones, sua atriz principal, qual a torta que ela mais odiava – e ela disse que era a de blueberry. Então ele mudou tudo e fez a pobre comer quilos e quilos de torta de... mirtilo. Sim, a tradução de blueberry é mirtilo.

Foi quando me dei conta! Pensa bem, esse filme poderia se chamar “Minhas Noites de Mirtilo”. Isso faz que até mesmo um título totalmente estúpido, como “Um Beijo Roubado”, pareça bom. Traduções literais nos títulos são ruins, manter o nome original e colocar um subtítulo também é ridículo, mas colocar um nome completamente diferente, às vezes, dá certo.

3 comentários:

mariana disse...

o novo filme do mark whalberg em ingles se chama "the happening" em portugues se chama "o fim dos tempos".

¬¬

Glauce disse...

ahahhahahaha adoro essa conversa sobre nomes originais e "traduções"!
é tipo uma conversa sem fim, né ;-)

/Lika disse...

eu sempre fico achando os títulos traduzidos dos filmes odiosos. mas "um beijo roubado", apesar de barango, é infinitamente mais agradável de se ler, pensar e repetir que "noites de mirtilo". eu te falei, né? que o movimento da câmera me deixou enjoada... haha

=*