domingo, 28 de junho de 2009

Quem é quem?

– Um manda e o outro sofre. É sempre assim em todo relacionamento. E nem sempre você faz a mesma coisa, mas é sempre uma variação disso.

Ele fechou a boca e bebeu mais um gole de cerveja. Curiosamente, a teoria era da menina com quem ele estava fazendo sexo casual regular. Não cabia a mim julgar qual dos dois fazia qual das duas coisas. Mas sim julgar a teoria. É verdade? Em um relacionamento, sempre há quem mande e quem sofra?

Exemplos? Bom, o mundo ficou perplexo quando um dos maiores rockstars da história, que podia servir-se de groupies à vontade, resolveu desposar uma japonesinha sem sal. Ainda acho que John Lennon e Yoko Ono eram almas gêmeas, mas era claro ali para todos que a última palavra era dela, não? E o fato dele ser famoso e milionário não mudava isso.

Quando as duas pessoas decidem que a aventura do momento é ficar juntas, não é que um vá sempre sofrer. Mas o pêndulo das decisões sempre cai mais para um lado. E porque isso acontece?

Pais e mães passam a vida falando que o amor pelos filhos é igual. Sim, igual entre os filhos, mas não dos filhos para eles. Na vida amorosa também. As duas pessoas podem verbalizar exatamente a mesma coisa, mas os verdadeiros sentimentos de um pelo outro se encontram nas pequenas coisas. “Eu te amo” são três palavras apenas, todos já sabemos. O sentimento de verdade está escondido no ato de abrir uma porta, de rir das piadas sem graça, de pagar um café, na ansiedade pelo telefonema e no compromisso com o fazer a ligação prometida.

Duas pessoas que se gostam nunca se gostam da mesma maneira. Mas talvez esteja aí o elemento que faz uma pessoa ser interessante para a outra. E também a explicação para o fato de que, sempre, alguém sai mais machucado que o outro quando as coisas chegam ao fim.



Para ouvir depois de ler: I Want To Hear What You Have Got To Say – The Subways

3 comentários:

victor Charlier disse...

Discordo de você.Talvez esteja criando expectativa demais sobre as pessoas.Devemos amar por amar.Sem cobranças,difícil?Sim, mas possível.
Você é o escorpião mais romântico que conheço.

: )

JD - João Damasio disse...

Então...

O Amor é inquestionável ao mesmo tempo que nos parece tão variável.

Amar por amar Vitor. Jamais.

Amor não é paixão, nem tesão. Não é gostar ou adorar.
Amor é perfeição: sinônimos vivos e siameses.

E romantico é o que sonha com o(a)principe(esa) encantado(a), não quer dizer que ama.
Amor é simplesmente sentimento maior por excelência.

/oxi.. discurpa.. iscrivi di+ /impolguei.

Inté!

Anônimo disse...

"Duas pessoas que se gostam nunca se gostam da mesma maneira."
Por isso existe essa falsa impressão de que "um manda e o outro sofre". A verdade é que a gente não pode julgar o sofrimento do outro,o que machuca muito a gente não fere o outro e vice-versa e podemos culpar ou julgar isso? Além disso, a maioria das pessoas é ótima em dissimular os sentimentos, inclusive os de frustração.
Acho que não podemos quantificar sentimentos, e todo mundo (inclusive eu - que já fiz isso MUITAS vezes) de uma forma ou de outra acaba quantificando.